Home   |   Mapa do Site    |   Contato
Email dos Leitores
Dúvidas
Depoimentos
Dica da Semana
Galeria de Fotos
Alerta ao Comprador
Humor
Denúncias
Cadastre-se
Frase da Semana
Proverbios de Cavalos
Pensamentos
Conformacao
Condicion. Fisico
Marcha
Doma
Treinamento
Equitação
Embocaduras
Manejo de Cascos
Reprodução
Genética
Canal Marcha picada
ABCCMM
NUCLEOS
Haras em Destaque
Marchador Internacional
Links Interessantes
CURSOS ONLINE
PALESTRAS ONLINE
LIVROS EM CD
LIVROS IMPRESSOS
AUDIO-BOOKS
Loja Virtual Do Cavalo M
M. Picada no Mundo
Como Registrar
Frutas que Curam
Alerta
Preserve a Natureza
A Fotografia
Saude
Controle o Estresse
O Espelho de Gandhi
Calendario Lunar
Datas comemorativas
Previsao do Tempo

Clique para ampliar
Clicar para aumentar foto e ler legenda
Clicar para aumentar foto e ler legenda


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VELOCIDADE, RENDIMENTO DE MARCHA E OS LIMITES DA NATURALIDADE

                                                                                              *Lúcio Sérgio de Andrade Zootecnista

Velocidade e rendimento são conceitos que se confundem na prática de avaliação dos árbitros. A velocidade guarda relação direta com a naturalidade da marcha. O rendimento é um atributo que se soma à naturalidade. Vamos às definições:

Velocidade – caracterizada pelo tempo gasto para percorrer determinado percurso. Normalmente é medida em metros/segundo, ou km/h . O passo é um andamento de baixa velocidade, desenvolvendo-se entre 5 a 7 km/h. A marcha é um andamento de média velocidade, desenvolvendo-se entre 07 a 20 km/h O galope é um andamento de alta velocidade, desenvolvendo-se em uma faixa mais ampla, entre os 15 e 60km/h,  aproximadamente.

O Quarto de Milha é um especialista nas arrancadas, imbatível nos percursos de distância até 400 metros ( um quarto da milha ). O Puro Sangue Ingles é um fundista, imbatível em percursos de distância média a longa.

A Marcha Trotada, da raça Mangalarga, tende a ser mais veloz do que a marcha batida, e esta em relação à marcha picada. Exemplares de marcha de centro, e até mesmo alguns de marcha picada, podem alcançar a mesma velocidade de cavalos de marcha batida, porém o rendimento tende a ser inferior, especialmente no caso da marcha picada. A rapidez dos deslocamento não necessariamente se traduz em velocidade e rendimento.

Rendimento, ou desenvolvimento, progressão, caracterizando-se pela amplitude dos deslocamentos ao findar cada ciclo da marcha, ou passada completa, após cada membro ter executado seu deslocamento ( elevação, avanço, apoio ). O rendimento médio para cavalos da raça Mangalarga Marchadores é um pouco acima dos 2,0 m , inferior ao rendimento médio de cavalos das raças Mangalarga e Campolina. O porte tem relação com o rendimento, mas não necessariamente com a velocidade.

Naturalidade – caracterizada pela dissociação nítida dos deslocamentos, resultando na boa intensidade e frequência dos tríplice apoios, sempre intercalados pelos apoios duplos diagonais e duplos laterais.

Quanto menor a velocidade da marcha, maior tende a ser o tempo de sustentação, favorecendo a comodidade em exemplares de MTAD – Marcha de Triplice Apoios Definidos. Ao contrário, em exemplares de marcha diagonalizada, quanto menor a velocidade, menor será a dissociação dos deslocamentos. Neste caso, o maior tempo de sustentação gera atritos verticais mais ásperos.

A velocidade média da marcha em cavalgadas é entre 11 e 12 km/h. Todavia, nos concursos de marcha, esta velocidade tem chegado, em média, entre 15 e 16km/h. Este excesso de velocidade dificulta a avaliação da qualidade do diagrama , da dissociação, sendo a forma mais comum de mascarar andamentos excessivamente diagonalizados. Em velocidade normal, entre 11 a 12 km/h, o sincronismo perfeito, ou quase perfeito no deslocamento de bípedes diagonais seria facilmente evidenciado nos cavalos “velocistas”.

O aumento exagerado da velocidade dos chamados “cavalos velocistas”, pode resultar em uma dissociação mínima, anti-natural. Geralmente, estes cavalos “marcham” ( pseudo-marcha) bastante apoiados nas rédeas, devido ao intenso condicionamento. Além disto, é uma velocidade que esgota rapidamente o animal, reduz a vida útil, favorece as afecções de locomotores, não sendo representativa da utilização do cavalo Mangalarga Marchador por seus usuários em passeios e cavalgadas de média a longa distância. Ou seja, o que se julga nas pistas não tem aplicação na prática da principal finalidade do cavalo M. Marchador – passeios, cavalgadas, serviço de campo. Voce leitor, pode imaginar a performance de um velocista em regiões montanhosas?? Na década de 30, século passado, os Mangalargas deixaram o Sul de Minas para serem selecionados a galopar e marchar com mais rendimento e velocidade, nos prados paulistas. A topografia facilitava este tipo de seleção funcional, até porque a caçada de veados naquela região exigia mais velocidade e progressão. Será que somente agora, mais de meio século da fundação da ABCCCM, foram descobrir que a seleção da marcha de tríplice apoios, ideal para transportar com conforto os cavaleiros, ao longo de trilhas íngremes e tortuosas das regiões montanhosas do sul e zona da mata de Minas Gerais, estava equivocada??

*Lúcio Sérgio de Andrade – Zootecnista, escritor, árbitro de equideos marchadores, Pedidos de livros e DVD’s através da LOJA VIRTUAL DO CAVALO DE MARCHA, hospedada no site www.equicenterpublicacoes.com.br, onde também são disponibilizadas embcaduras e equipamento especializado para doma e treinamento de cavalos de marcha.

 

 

home |voltar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Itaporanga-SE
Francisco Garcez (Tito) -
(79) 9977 8000


Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552

APRESENTAÇÃO      EDITORIAL      A RAÇA       ORIGEM      GENÉTICA      ANDAMENTO      CONFORMAÇÃO      REGISTRO      HINO
Copyright © 2008. RDA Tecnologia. Todos os Direitos Reservados.