Home   |   Mapa do Site    |   Contato
Email dos Leitores
Dúvidas
Depoimentos
Dica da Semana
Galeria de Fotos
Alerta ao Comprador
Humor
Denúncias
Cadastre-se
Frase da Semana
Proverbios de Cavalos
Pensamentos
Conformacao
Condicion. Fisico
Marcha
Doma
Treinamento
Equitação
Embocaduras
Manejo de Cascos
Reprodução
Genética
Eventos do Marchador
ABCCMM
NUCLEOS
Haras em Destaque
Marchador Internacional
Links Interessantes
CURSOS ONLINE
PALESTRAS ONLINE
CLINICAS ONLINE
LIVROS EM CD
LIVROS IMPRESSOS
AUDIO-BOOKS
Quiz da Semana
Haras Boa Luz
Como Registrar
Frutas que Curam
Alerta
Preserve a Natureza
A Fotografia
Saude
Controle o Estresse
O Espelho de Gandhi
Calendario Lunar
Datas comemorativas
Previsao do Tempo

Clique para ampliar
Clicar para aumentar foto e ler legenda
Clicar para aumentar foto e ler legenda


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  A IMPORTÂNCIA DA POSTURA CORRETA DA CABEÇA

A postura da cabeça é um item inserido no estilo da marcha. Pouca importância ainda é dada á este aspecto, pois nota-se uma supervalorização da dinâmica de locomoção em termos de coordenação, flexão, elasticidade, energia e impulsão dos deslocamentos.

Todavia, a má postura da cabeça pode afetar negativamente cada um destes itens. O primeiro efeito negativo é na ação da embocadura nos pontos de controle, que são os seguintes:

No bridão – ponto principal de controle é nas comissuras labiais e ação secundária sobre as barras e lingua;

Freio-bridão – pontos principais de controle sobre as comissuras labiais e queixo pela ação da barbela. Ação secundária sobre as barras e a lingua;

Freio – pontos principais de controle sobre as comissuras labiais, queixo pela ação da barbela e palato pela ação da curvatura do bocal, pressionada pelo efeito alavanca das hastes;

A postura correta da cabeça é com o focinho apontado para o solo, em uma linha vertical, formando um angulo entre 45 a aproximadamente 90 graus na ligação cabeça/pescoço.  A má postura mais prevalente é a do focinho adiantado, em varios graus, até o extremo da postura popularmente conhecida como “cabeça ponteira”.  O oposto, ou seja, focinho atrasado, também ocorre em varios graus, até o extremo da postura popularmente conhecida como “cabeça encapotada”.

A má postura da cabeça pode ser causada pela flexão sub-desenvolvida da nuca, pela rejeição à embocadura, pela conformação defeituosa do pescoço ou pela equitação inadequada.

A má flexão da nuca é o erro mais comum, porque a maioria dos treinadores de cavalos marchadores não preparam adequadamente a musculatura do pescoço para facilitar a ação da embocadura. São duas as flexões a serem gradativamente desenvolvidas: a flexão vertical, que se dá na região da nuca, mais especificamente nas primeira e segunda vertebras cervicais, e a flexão lateral, que se dá nas duas vertebras cervicais seguintes, que permitem ao cavalo girar o seu pescoço sem movimentar o tronco. A flexão lateral como um todo é mais abrangente, pois também envolve o flexionamento de tronco e membros.

A rejeição à embocadura também é um erro comum. Primeiro, pelo mal uso do bridão, por tempo muito prolongado. O bridão exerce efeito elevatório da cabeça e, portanto, não é embocadura apropriada para conduzir exercicios de flexionamento da nuca, mas sim os exercicios de flexão lateral, pela sua açao de redeas diretas. O equipamento adequado para conduzir os exercícios de flexão, rotineiramente, é o hackamore apropriado aos cavalos marchadores. Segundo, porque a boca raramente é avaliada antes do uso da embocadura. Pontas de dentes, dente de lobo, muda de dentição, textura das barras e linguas, largura e altura do palato, ferimentos, calosidades, são os aspectos a serem avaliados. Terceiro, porque a maioria dos treinadores não fazem a adaptação de um a dois dias, deixando a nova embocadura na boca antes de acionar as redeas. Terceiro, porque as transições de embocaduras nem sempre são corretas quanto ao grau de severidade da ação.

Entretanto, é oportuno ressaltar que não existe embocadura severa em boca de cavalo corretamente adestrado, pois este será facilmente conduzido pelos comandos de pernas e assento, sendo as rédeas eventualmente acionadas para auxiliar na direção do movimento.

A conformação defeituosa do pescoço não era prevalente até as infusões sucessivas e generalizadas de sangue da raça Mangalarga. Anteriormente à esta agressão ao Padrão Racial, e crime na esfera do Ministério da Agricultura, a forma e direção predominantes do pescoço do Mangalarga Marchador original eram exatamente as definidas pelo Padrão Racial: Piramidal obliqua. Atualmente, nota-se um numero significativo de animais portadores de pescoço apresentando inversão parcial ou total, o que dificulta a postura correta da cabeça, que tende a se manter em uma posição mais elevada e com o focinho adiantado.

Quanto ao fator má equitação, o que se nota nas exposições é um assento mais adiantado, com apoio nos estribos, não para estribar como era tipico da equitação de campo dos cavalos de MTAD – Marcha de Triplicas Apoios Definidos, mas sim para aliviar os atritos verticais da marcha excessivamente diagonalizada. O modelo de sela utilizado em exposições não favorece a equitação correta. A postura classica muito forçada de equitação que se observa foi uma herança da escola militar de equitação introduzida na ABCCMM a partir da década de 90 do século passado. Obviamente, não é um estilo de equitação compativel com o desempenho da marcha original do cavalo Mangalarga Marchador.

A marcha excessivamente diagonalizada requer treinamento em marcha de velocidade acima do normal, com deslocamentos exageradamente avantes e flexionados. Rapidamente, os cavalos são condiconados a apoiar demasiadamente na embocadura, que por sua vez não é a correta, que deveria ser o freio de primeiro ou segundo estágio, dependendo do grau de adestramento. As embocaduras mais utilizadas têm sido o bridão, que é para cavalos iniciantes e o freio-bridão, que é uma embocadura de transição, como o próprio nome indica. Raramente, um cavalo estará pronto de rédeas ( o que implica no flexionamento correto ) sem o uso do freio convencional, em alguns casos, até mesmo o freio de terceiro estágio.

 A realidade é que um grande numero de cavalos náo se apresentam em exposições adequadamente preparados quanto à postura da cabeça. Este mal preparo pode trazer consequências ainda piores para o bom desempenho quando se trata do uso em provas funcionais de maneabilidade, de adestramento e nas cavalgadas ao longo de trilhas em regiões de topografia montanhosa.

*Lúcio Sérgio de Andrade – Zootecnista, escritor, árbitro de equideos marchadores, Pedidos de livros e DVD’s através da LOJA VIRTUAL DO CAVALO DE MARCHA, hospedada no site www.equicenterpublicacoes.com.br, onde também são disponibilizadas embcaduras e equipamento especializado para doma e treinamento de cavalos de marcha.

        

 

home |voltar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Itaporanga-SE
Francisco Garcez (Tito) -
(79) 9977 8000


Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552

APRESENTAÇÃO      EDITORIAL      A RAÇA       ORIGEM      GENÉTICA      ANDAMENTO      CONFORMAÇÃO      REGISTRO      HINO
Copyright © 2008. RDA Tecnologia. Todos os Direitos Reservados.