Home   |   Mapa do Site    |   Contato
Email dos Leitores
Dúvidas
Depoimentos
Dica da Semana
Galeria de Fotos
Alerta ao Comprador
Humor
Denúncias
Cadastre-se
Frase da Semana
Proverbios de Cavalos
Pensamentos
Conformacao
Condicion. Fisico
Marcha
Doma
Treinamento
Equitação
Embocaduras
Manejo de Cascos
Reprodução
Genética
Eventos do Marchador
ABCCMM
NUCLEOS
Haras em Destaque
Marchador Internacional
Links Interessantes
CURSOS ONLINE
PALESTRAS ONLINE
CLINICAS ONLINE
LIVROS EM CD
LIVROS IMPRESSOS
AUDIO-BOOKS
Quiz da Semana
Haras Boa Luz
Como Registrar
Frutas que Curam
Alerta
Preserve a Natureza
A Fotografia
Saude
Controle o Estresse
O Espelho de Gandhi
Calendario Lunar
Datas comemorativas
Previsao do Tempo

Clique para ampliar
Clicar para aumentar foto e ler legenda
Clicar para aumentar foto e ler legenda


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A PROPÓSITO DA RELAÇÃO VELOCIDADE X APOIO TRIPLO, DISSOCIAÇÃO  E  MARCHA

A.P.Toledo – engenheiro, criador de eqüinos, coordenador do sistema Analoc-E e autor dos livros: Mecânica de Sustentação e Locomoção dos Eqüinos e Tecnologia Não Invasiva para a Análise da Locomoção dos Eqüídeos.
toledo@toledohorse.com.br 


As velocidades das marchas estão situadas entre 10 e 18 k/h, com valores médios entre 12 e 13 k/h para as diversas raças de eqüídeos  marchadores analisadas pelo Analoc-E de 1990 a 2006. Abaixo de 10k/h o animal mediolíneo está em andamento de passo apressado e acima de 18k/h o animal entre em velocidade de galope de apresentação a 3 tempos.

A marcha completa de oito apoios desenvolvida por raças nacionais e internacionais apresentam valores médios de velocidade (deslocamento do centro de gravidade no plano horizontal) entre 12 e 13 k/h. Estes valores são ideais para permitir a  dissociaçao do bípede diagonal (em ambas as fases da passada) da ordem de 10 a 40% e equivalente a valores  de 60 a 240 ms( milésimos de segundo).

Os estudos com o Analoc-E diagonosticaram, em diversos casos, que um aumento aproximado de 01 km/h na velocidade do animal provocava uma diminuição média de 3 vezes do tempo de apoio triplo durante a passada. Como exemplo típico, um animal em marcha batida  completa de oito apoios a 11,5 k/h apresentava um apoio triplo de 11% (66 ms). Com o aumento da velocidade para 14,25 k/h o apoio triplo ficou reduzido a 2% (com os posteriores) e a 0% com os anteriores. A marcha passou a ser incompleta com a supressão de dois apoios triplos, substituidos por apoios indesejáveis  simples de anteriores e de posteriores (monopedais).
Assim,  o aumento aproximado de 3 k/h causou a diminuição de 11 para 2 ( 9 pontos percentuais) no tempo de apoios triplos; chegando a eliminar os 2 apoios triplos com os anteriores (Toledo A.P., Tecnologia Não Invasiva para a Análise da Locomoção, 1995).

CONCLUSÃO :

1 – A velocidade diminui a dissociação dos membros diagonais durante a passada e, conseqüentemente, a possibilidade de ocorrerem 4 apoios triplos durante a passada, que caracterizam a marcha completa ou MTAD (marcha de apoios triplos definidos com nítida dissociação do bípede diagonal).

2 – A diminuição da dissociação  inviabiliza, inicialmente, a existência dos apoios triplos com anteriores, que, por sua vez, inviabilizam os apoiosl em bípede lateral em cada lado da passada.

3 – O aumento da velocidade do cavalo marchador, além dos valores médios de cada raça, inviabiliza a marcha completa e leva o eqüídeo marchador para a marcha trotada ou transicional para o  trote (de um lado) ou para a marcha picada desequilibrada ou guinilha (do outro).

4 – Cada animal tem a sua velocidade ideal de marcha, na qual apresenta o seu melhor desempenho ou handicap. O cavaleiro bem informado e conhecedor destes limites pode explorar este ponto ideal,  não permitindo que o animal dele se afaste durante a apresentação. O juiz deve ter conhecimento suficiente e sensibilidade para não equitar o animal muito longe  da sua velocidade ideal na pista (entre 12 e 13 k/h) para usufruir a  sua melhor dinâmica.

5 – Os animais de maior porte como  Campolina e as mulas PECA (cruzadas de jumento PEGA e éguas Campolina) apresentaram velocidade média de marcha próxima a 13 k/h. Os animais das raças Manga-Larga Marchador e  Manga-Larga  apresentaram velocidade média de marcha entre 12  e 12,5 k/h (A.P.Toledo, Parâmetros biomecânicos da marcha de eqüídeos das raças brasileiras, 2005).  


6 – O criador moderno necessita conhecer o ponto ideal de marcha dos seus animais e o equitador que não tem este conhecimento leva uma grande desvantagem, pois executa um vôo cego no grande emaranhado das pistas e dos  julgamentos empíricos.

O Analoc-E é o recurso que analisa a marcha com precisão e em tempo real ( no ato da passagem do animal montado, puxado ou livre) e pode treinar os nossos técnicos e juizes para uma analise atualizada das marchas.
Não há nenhum demérito do profissional em atualizar os seus conhecimentos, com o auxilio de novas tecnologias. Muitas explicações em pista sobre a dissociação nítida dos membros e sobre a qualidade da marcha  não condizem com a realidade.

 

 

home |voltar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Itaporanga-SE
Francisco Garcez (Tito) -
(79) 9977 8000


Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552

APRESENTAÇÃO      EDITORIAL      A RAÇA       ORIGEM      GENÉTICA      ANDAMENTO      CONFORMAÇÃO      REGISTRO      HINO
Copyright © 2008. RDA Tecnologia. Todos os Direitos Reservados.