Home   |   Mapa do Site    |   Contato
Email dos Leitores
Dúvidas
Depoimentos
Dica da Semana
Galeria de Fotos
Alerta ao Comprador
Humor
Denúncias
Cadastre-se
Frase da Semana
Proverbios de Cavalos
Pensamentos
Conformacao
Condicion. Fisico
Marcha
Doma
Treinamento
Equitação
Embocaduras
Manejo de Cascos
Reprodução
Genética
Eventos do Marchador
ABCCMM
NUCLEOS
Haras em Destaque
Marchador Internacional
Links Interessantes
CURSOS ONLINE
PALESTRAS ONLINE
CLINICAS ONLINE
LIVROS EM CD
LIVROS IMPRESSOS
AUDIO-BOOKS
Quiz da Semana
Haras Boa Luz
Como Registrar
Frutas que Curam
Alerta
Preserve a Natureza
A Fotografia
Saude
Controle o Estresse
O Espelho de Gandhi
Calendario Lunar
Datas comemorativas
Previsao do Tempo

Clique para ampliar
Clicar para aumentar foto e ler legenda
Clicar para aumentar foto e ler legenda


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A ORIGEM DA MARCHA PICADA NO MUNDO E NO BRASIL

A teoria mais provavel da origem da marcha picada no mundo é a de que tenha surgido a partir de mutações genéticas sofridas pelos cavalos Bérberes nos desertos do norte da África. Estas mutações resultaram na Andadura, como forma de adaptação à dificil locomoção nas dunas de areia fofa.

O melhor exemplo é o andamento dos camelos, a andadura exclusiva, andamento rasteiro, com apoio quadrupedal entre as trocas de apoios sincronizados dos pares laterais de cascos. Neste tipo de movimentação os cascos praticamente arrastam-se na areia fofa. Ao contrario, no trote, os pares diagonais de de cascos afundam-se para, em seguida, os quatro cascos elevarem-se no momento de suspensão, necessario às trocas de apoios duplos diagonais. Obviamente, no trote na areia fofa a progressão do andamento é menor, e o desgaste fisico é maior.

O rebanho brasileiro de éguas nacionais formado pelos colonizadores portugueses era, predominantemente, de sangue Bérbere, Sorraia e Garrano. A raça Bérbere foi formada nos desertos do norte da Africa, tendo sido montarias famosas nas guerras. Há registros históricos, em figuras, de cavalos Bérberes em movimentação caracterizando a andadura classica e desunida (quando ha uma discrete dissociação entre os pares de membros laterais).

A partir dos cruzamentos aleatórios entre garanhões trotadores de origem nas raça Altér Real (sangue Andaluz/Luzitano) e éguas de andadura da raça Bérbere, a marcha picada começou a ser produzida. Como o trote é geneticamente dominante em relação à andadura, a escala de produção de animais de marcha picada era bem inferior à produção de animais de marcha batida.

Naquela época não haviam estudos determinantes da qualidade dos andamentos, ou seja, qualquer tipo de dissociação lateral era aceita. Atualmente, a marcha picada de qualidade é que chamo de “marcha picada de centro”, ou seja, quando ha um bom equilibrio entre os tempos de apoios duplos laterais e duplos diagonais.  

Os registros históricos da raça Mangalarga Marchador relatam que a marcha picada começou a ser selecionada no Sul de Minas com mais critério (em especial o que se refere ao “equilibrio”) entre o final do século IXX e inicio do século XX. Esta modalidade de marcha era o andamento predominante nos criatórios localizados na proximidade do Rio das Mortes, onde a atividade econômica predominante era a mineração. A exigencia não era, prioritariamente, de animais velozes e ageis, como era o foco da seleção para animais esportistas (de caçadas dos veados campeiros). Nos criatórios localizados em regiões de mineração bastavam aos cavalos de marcha picada a comodidade em andamentos de baixa a media velocidade.

Todavia, o andamento preferencial da região do Sul de Minas foi, e ainda é, a marcha batida. De fato, não há registros históricos de reprodutores notáveis do passado citados como sendo cavalos de marcha picada.

Mesmo na atualidade, poucos são os criatórios sul mineiros que se dedicam à seleção prioritaria da marcha picada, o que é mais uma comprovação de que a tradição sul mineira foi a seleção da marcha batida.

As próprias linhagens pilares consolidadas no Sul de Minas, como também as linhagens antigas sediadas no Sul de Minas, não estabeleceram como meta de seleção a marcha picada.

A única linhagem antiga que priorizou a seleção da marcha picada foi a “Passa Tempo”, que teve como sede a Fazenda Campo Grande, localizada na região mineira dos Campos das Vertentes. A seleção de marcha picada nesta linhagem teve inicio na segunda metade do século 19, atraves do Cel. Francisco Teodoro de Andrade, que era amigo particular do “Barão de Alfenas” (precursor da raça Mangalarga Marchador)

Na linhagem antiga sufixo “Herdade”, de localização próxima à serra da mantiqueira, tambem consolidada fora da região do Sul de Minas, foi produzido um maior numero de animais de marcha picada. Mas este andamento não foi meta de seleção da linhagem Herdade, mas sim a marcha batida classica. A explicação é que o andamento da “tropa Herdade” era mais marchado, ou seja, apresentava um grau de dissociação maior, relativamente à media de andamento das linhagens pilares. O grau maior de dissociação na genetica dos sementais da linhagem Herdade resultava em uma variação desejavel na produção das modalidades de andamento – marcha batida classica, marcha de centro e marcha picada. Estas são as tres modalidades autenticas da marcha triplice apoiada.

As marchas transicionais, como a batida diagonalizada e marcha trotada, não podem ser classificadas como marchas triplice apoiadas, mas sim de apoio duplo diagonal predominante, ou exclusive, o que jamais foi meta de seleção dos antigos criadores sul mineiros da primeira metade do século 20, tanto os que fundaram a ABCCMM como os que se afiliaram naquela época. Assim o fizeram, por não concordarem, exatamente, com o sincronismo duplo diagonal do andamento dos animais da raça Mangalarga, registrados na Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Mangalarga (Mangalarga “Paulista”).

Interessante é que, atualmente, a marcha picada é um andamento mais prevalente na região do nordeste, principalmente na Bahia e Pernambuco. Prova incontestavel é a estatistica dos resultados de julgamentos de animais de marcha picada nas exposições nacionais. Mesmo fora do circuito das exposições oficiais da raça no nordeste, o que se nota nos concursos regionais de marcha, e nas cavalgadas, é um numero significativo de animais de marcha picada. Esa contastação tambem é valido para as regiões interioranas, particularmente as do sudeste e centro-oeste.

A marcha batida diagonalizada, e marcha trotada, prevalentes nos julgamentos nas exposições oficiais da ABCCMM é andamento restrito a um nicho menor de mercado, o de expositores. Todavia, o nicho bem maior de mercado é o dos usuarios de cavalos de passeios e cavalgadas.

A marcha picada é um produto de exportação, sendo o tipo de marcha de maior demanda na America do Sul, considerarando os rebanhos de Paso Fino e Paso Peruano nos demais paises; na América Central; na América do Norte e em alguns paises da Europa, principalmente a Alemanha.

No mundo há apenas tres raças de marcha batida e mais de dez raças de marcha picada.

O fato é que a marcha picada conquista a preferência pela elegância do alçar dos membros anteriores, razão do nome “marcha picada”; pela agradavel e inconfundivel melodia do som das batidas dos cascos – taca, taca, taca, taca, ……  ; e pela comodidade inigualavel, garantindo a satisfação plena no lazer de passeios e cavalgadas;

Autor: Lúcio Sérgio de Andrade, escritor, pesquisador, mais de 30 livros escritos, mais de 50 dvds produzidos, arbitro internacional de equideos marchadores.

 

 

 

home |voltar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Itaporanga-SE
Francisco Garcez (Tito) -
(79) 9977 8000


Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552

APRESENTAÇÃO      EDITORIAL      A RAÇA       ORIGEM      GENÉTICA      ANDAMENTO      CONFORMAÇÃO      REGISTRO      HINO
Copyright © 2008. RDA Tecnologia. Todos os Direitos Reservados.