Home   |   Mapa do Site    |   Contato
Email dos Leitores
Dúvidas
Depoimentos
Dica da Semana
Galeria de Fotos
Alerta ao Comprador
Humor
Denúncias
Cadastre-se
Frase da Semana
Proverbios de Cavalos
Pensamentos
Conformacao
Condicion. Fisico
Marcha
Doma
Treinamento
Equitação
Embocaduras
Manejo de Cascos
Reprodução
Genética
Canal Marcha picada
ABCCMM
NUCLEOS
Haras em Destaque
Marchador Internacional
Links Interessantes
CURSOS ONLINE
PALESTRAS ONLINE
LIVROS EM CD
LIVROS IMPRESSOS
AUDIO-BOOKS
Loja Virtual Do Cavalo M
M. Picada no Mundo
Como Registrar
Frutas que Curam
Alerta
Preserve a Natureza
A Fotografia
Saude
Controle o Estresse
O Espelho de Gandhi
Calendario Lunar
Datas comemorativas
Previsao do Tempo

Clique para ampliar
Clicar para aumentar foto e ler legenda
Clicar para aumentar foto e ler legenda


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SAIBA PORQUE O ESTILO É O PARAMETRO MAIS COMPLEXO DA AVALIAÇÃO DA MARCHA


No contexto da avaliação da marcha o estilo é o mais complexo porque envolve detalhes em todas as partes. Vejamos:

Cabeça – Avaliada quanto à postura e estabilidade. A postura correta é com o focinho apontado ao solo, em uma linha vertical partindo da nuca, que se apresenta corretamente flexionada. A cabeça deve ser mantida alinhada com o pescoço. Se o animal desvia a cabeça para o lado, geralmente o lado que é conduzido, o comprimento do deslocamento de membros anteriores tende a diminuir, além da perda da retidão e equilibrio. A altura da cabeça deve ser mediana. A estabilidade é avaliada quanto as oscilações laterais e verticais.


Postura correta da cabeça, com focinho apontado ao solo, nuca plenamente flexionada, favorecendo a ação da embocadura nos pontos corretos de controle


Orelhas – Avaliação quanto à postura e estabilidade. A postura correta é marchar com orelhas firmes, na vertical, o tanto quanto possivel paralelas. Se o posiconamento é voltadas para tras, o animal estará inquieto, nervovo, podendo ser irritação com o apresentador, “estresse de exposição” ou índole ruim.  A perda de estabilidade gera o defeito vulgarmente chamado de “bater orelhas”, o que não afeta a eficiencia da marcha, sendo defeito meramente estético.

Pescoço – Deve estar alinhado com a cabeça. Se o animal desvio o pescoço o lado o equilibrio da locomoção será afetado

Cauda – Avaliada quanto à postura e estabilidade. A postura correta da cauda é firme, rente as nadegas, e estavel.

Os deslocamentos de membros são avaliados nos seguintes aspectos:

Flexionamento – O aspecto mais importante, pois tem relação direta com a pureza da marcha e a comodidade. Nos membros anteriores, as articulações de boletos e joelhos devem dobrar bem, para resultar no chamado ato de rolar pinças de cascos, o que amortece os impactos. Nos membros posteriores, o bom flexionamento dos jarretes resulta no bom engajamento de todo o membro sob a massa corporea, o que favorece a boa definição dos triplices apoios e a eficiencia da força de impulsão.



O bom flexionamento das articulações de joelhos, boletos e jarretes favorece a comodidade, desde que o animal apresenta uma boa dissociação entre os pares de membros, seja os diagonais ou os laterais. Notar na foto o bom flexionamento do joelho e boleto do membro anterior esquerdo. Notar tambem a boa inclinação da quartela do membro anterior direito, que está apoiado, amortecendo o impacto.

Elevação – Aspecto também ligado a naturalidade da marcha, pois os deslocamentos excessivamente elevados não são tipicos da M.T.A.D. – Marcha de Triplices Apoios Definidos. A elevação excessiva, em especial dos membros anteriores, tende a reduzir o avanço e, consequentemente, a amplitude das passadas. Porém, o mais grave é dificultar a ocorrencia dos momentos de triplices apoios, gerando apoios assimétricos, como os monopedais. Outra consequencia da elevação excessiva dos membros é a perda do equilibrio e a redução da comodidade.

Coordenação – Avaliada entre os pares de membros e entre o conjunto de membros, anteriores e posteriores. No mesmo par, um membro não pode se adiantar ou atrasar em relação ao outro. Entre o conjunto de membros todos devem cobrir mais ou menos a mesma distância, no mesmo ritimo.

Equilibrio – Tem relação com a coordenação. A perda de equlibrio acontecerá no caso de claudicação ou quando um dos membros executa deslocamento semelhante ao inicio de um galope curto.

Retidão – Na avaliação por detrás os membros devem executar uma trajetória retilinea. As oscilações para os lados podem afetar o flexionamento das articulações de jarretes e a força de impulsão.

Energia – Avaliada quanto ao vigor dos deslocamentos, em especial dos membros posteriores, responsaveis pela força da impulsão.  Uma das principais diferenças da marcha de Concurso para a marcha de passeio é exatamente a maior energia dos deslocamentos. A energia deficiente reduz a amplitude das passadas e afeta equilibrio e regularidade.

Impulsão – Tem relação com a energia dos deslocamentos, o bom flexionamento e com o engajamentos dos membros posteriores sob a massa corporea. Um cavalo corretamente impulsionado tende a apresentar maior amplitude de passadas, mas não necessariamente a pureza da marcha, que se traduz pela boa dissociação dos deslocamentos e, consequentemente, pela boa definição dos momentos de apoios tripedais. Na verdade, os julgamentos de andamento estão super-valorizado a impulsão. Esta avaliação super-valorizada da impulsão é aceitavel para julgamento de trotadores, mas não de marchadores na essencia da palavra, pois estes, em primeiro lugar, devem apresentar a dissociação e a comodidade.

Autor: Lucio Sergio de Andrade  - Zootecnista, escritor, pesquisador, especializado em raças equinas nacionais e internacionais de andamento marchado

 

 

 

home |voltar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Itaporanga-SE
Francisco Garcez (Tito) -
(79) 9977 8000


Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552

APRESENTAÇÃO      EDITORIAL      A RAÇA       ORIGEM      GENÉTICA      ANDAMENTO      CONFORMAÇÃO      REGISTRO      HINO
Copyright © 2008. RDA Tecnologia. Todos os Direitos Reservados.