Home   |   Mapa do Site    |   Contato
Email dos Leitores
Dúvidas
Depoimentos
Dica da Semana
Galeria de Fotos
Alerta ao Comprador
Humor
Denúncias
Cadastre-se
Frase da Semana
Proverbios de Cavalos
Pensamentos
Conformacao
Condicion. Fisico
Marcha
Doma
Treinamento
Equitação
Embocaduras
Manejo de Cascos
Reprodução
Genética
Canal Marcha picada
ABCCMM
NUCLEOS
Haras em Destaque
Marchador Internacional
Links Interessantes
CURSOS ONLINE
PALESTRAS ONLINE
LIVROS EM CD
LIVROS IMPRESSOS
AUDIO-BOOKS
Loja Virtual Do Cavalo M
M. Picada no Mundo
Como Registrar
Frutas que Curam
Alerta
Preserve a Natureza
A Fotografia
Saude
Controle o Estresse
O Espelho de Gandhi
Calendario Lunar
Datas comemorativas
Previsao do Tempo

Clique para ampliar
Clicar para aumentar foto e ler legenda
Clicar para aumentar foto e ler legenda


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EFEITO ALAVANCA – VOCE SABE COMO EXPLORAR
CORRETAMENTE NOS MODELOS DE FREIO-BRIDÃO ADEQUADOS À EQUITAÇÃO DE CAVALOS MARCHADORES?


*Lúcio Sérgio de Andrade


O efeito alavanca é o principio da ação do freio, que pode ser o convencional, de bocal com curvatura ao centro - chamada comumente de passador de lingua ou ponte -, ou o freio-bridão, que combina as duas ações – de freio e de bridão, podendo ser ação integrada ou independente. O efeito alavanca é entendido como sendo a força exercida pelas hastes do freio convencional, ou do freio-bridão na barbela, sendo a força sentida pelo cavalo na forma da pressão da barbela no queixo. A barbela padrão é a de corrente e a opcional de couro. Se a barbela tem elos simples, finos e pequenos, será de ação severa. Se tem elos grandes e grossos, será de ação moderada. Se a barbela tem elos duplos será de ação moderada e se for de elos duplos e planos será de ação branda. Portanto, o principio da ação do efeito alavanca é o equilibrio entre comprimento/inclinação das hastes e tipo de barbela, para que a ação possa ser moderada, que é a universal, mais facil de ser aceita pela maioria dos cavalos e éguas, com menos risco de desenvolver defeitos nos andamentos.

O ajuste correto da barbela é imprescindivel para que ocorre o efeito alavanca de forma correta.  A folga entre barbela e queixo deve ser entre um a dois dedos. Se a barbela está muito apertada a pressão no queixo será muito forte, causando desconforto, até mesmo na forma de dor com ferimento. Ao contrário, se a barbela está muito folgada, o bocal não será travado para uma ação eficaz nos pontos de controle. Se for um freio-bridão, o bocal poderá dobrar no centro, onde tem o olhal pequeno da articulação, causando o que se chama de “efeito quebra-nozes”, apertando a lingua.
O bridão tem efeito alavanca, porque as biqueiras da rédea são colocadas no olhal ao nivel do bocal, o que torna nulo o efeito alavanca. Portanto, não se usa barbela no bridão, pois não há como exercer a pressão no queixo sem o efeito alavanca. O olhal do bridão pode ser em forma de D ou redondo. Apesar de ser embocadura de iniciantes – cavalo e cavaleiro -, o bridão é a que pode causar mais desconforto, através da pressão forte e continua nas comissuras labiais e na lingua. Dependendo de como as rédeas são acionadas, o bridão é a embocadura que pode exercer a pressão mais forte na lingua, geralmente na forma de desconforto, dor, porque o bocal dobra na articulação central, exercendo o efeito quebra-nozes, conforme esclarecido anteriormente. Alem deste efeito negativo, há um segundo, o de exercer ação elevatória da cabeça, podendo dificultar a postura correta, desenvolvendo os defeitos de cabeça muito elevada e/ou ponteira. Assim sendo, o bridão não é embocadura especializada para desenvolver a flexão da nuca, exatamente porque não exerce o efeito alavanca, como ocorre na ação do freio-bridão ou do freio. A principal especialidade de ação do bridão é desenvolver a flexão lateral.



Bridão D’agulha bocal de cobre, o mais indicado como primeira embocadura, para finalizar o adestramento básico, que começa com o uso do hackamore de couro. Embocadura vendida na Loja Virtual do Cavalo de Marcha –
www.equicenterpublicacoes.com.br. Outras opções são de ferro ou de aço inox. A espessura do bocal nos cantos deve ser de 1,5 a 1,8cm, para exercer ação moderada. O cobre é o melhor material para o bocal porque estimula a salivação,  sendo a saliva o “lubrificante” para a ação do bocal, reduzindo atritos nos pontos de controle – comissuras labiais, barras, lingua.


Bridão argola, bocal de ferro com infiltração de cobre nas laterais. O uso do bridão argola é indicado para casos especiicos. Embocadura vendida na Loja Virtual do Cavalo de Marcha –
www.equicenterpublicacoes.com.br


O freio-bridão é a embocadura de transição, como o próprio nome sugere, após o uso do bridão, que deve ser por tempo limitado, máximo de um mes, aproximadamente, devido aos problemas que o mal uso do bridão podem causar, conforme esclarecido anteriormente. O freio-bridão é de ação mais complexa do que o bridão, porque tem dois efeitos principais – da pressão do bocal nas comissuras labiais (os efeitos secundarios são nas barras e lingua) e da barbela no queixo. Na maioria dos modelos, que são muitos, confundindo o mercado, as hastes são integradas ao olhal, que pode ser em formato D ou redondo, ou simplesmente hastes semelhantes à do freio convencional. Quanto mais longas as hastes, mais forte será o efeito alavanca. Logo, se as biqueiras da rédea são colocadas no olhal ao nivel do bocal, a ação será a mesma de um bridão, nula de efeito alavanca, sem pressão da barbela no queixo. Se as biqueiras da rédea são colocadas na argola inferior das hastes, o efeito alavanca será o máximo, de acordo com o comprimento das hastes. Um efeito alavanca intermediario pode ser exercido atraves da ação de um francalete, que é uma peça de couro, ou de corda, com extremidades fixadas no olhal ao nivel do bocal e na argola inferior das hastes. Portanto, a ação usando um francalete será dupla, de bridão e de freio, dividindo a força do efeito alavanca, que se traduz pela força de pressão da barbela no queixo. Uma outra opção é usar duas rédeas, uma com as biqueiras colocadas ao nivel do bocal e outra na argola inferior das hastes. Dependendo da necessidade, o cavaleiro poderá acionar em separado rédea de ação bridão ou rédea de ação freio, além da ação simultanea de ambas as rédeas.



Freio-bridão olhal em D (conhecido comumente como “Espanhol”), tendo 3 niveis de regulagem do efeito alavanca. Embocadura vendida na Loja Virtual do Cavalo de Marcha –
www.equicenterpublicacoes.com.br


Freio-bridão Pelham (conhecido comumente como “Ingles”), tendo 2 niveis de regulagem e possibilidade de usar um nvel intermediario com o francalete. Embocadura vendida na Loja Virtual do Cavalo de Marcha –
www.equicenterpublicacoes.com.br



Freio-bridão Argentino, tem hastes um pouco mais longas que o “Ingles” e um pouco curvas, tendo 2 niveis de regulagem e possibilidade de usar um nvel intermediario com o francalete. Embocadura vendida na Loja Virtual do Cavalo de Marcha –
www.equicenterpublicacoes.com.br


Freio-bridão Western, de hastes mais longas, com mais recurso do efeito alavanca, mas como não tem olhal ao nivel do bocal, o primeiro estagio deve ser criado com um francalete, sendo as extremidades fixadas nos olhais da faceira e da argola inferior das hastes. Embocadura vendida na Loja Virtual do Cavalo de Marcha –
www.equicenterpublicacoes.com.br

O freio-bridão pode ser usado durante meses, não há um prazo pré-estabelecido, como no caso do bridão. Isto porque o ajuste do efeito alavanca deve ser gradual, para forçar o avanço progressivo, com paciencia, do nivel do adestramento. Uma das falhas usuais no uso do freio-bridão é iniciar o treinamento com as biqueiras da rédea colocadas em estagio 3, ou seja, explorando o máximo do comprimento das hastes, exagerando na força do efeito alavanca, sem que a boca esteja preparada, a nuca ainda muito rigida e a propria sensibilidade do queixo ainda não preparada para uma força mais forte da pressão exercida pela barbela.

Se o cavalo demonstra resistência aos comandos de rédeas, seja nas viradas para ambos os lados, paradas, esbarro ou recuo, deve ser feita a transição do estágio do efeito alavanca, ou a transição para o freio, caso as biqueiras da rédea ja estejam colocadas na argola inferior de um freio-bridão de hastes longas. A resistência é a forma de comunicação do cavalo com o treinador, ou seja, a comunicação ocorre via embocadura, além de sinais emitidos pelas variações no posicionamento da cabeça; abrir e fechar a boca; pela movimentação das orelhas e cauda; e variações no diagrama e estilo da marcha.

Se o freio-bridão tem pouco comprimento de hastes, antes de fazer a transição para um freio convencional, caso o cavalo “solicitar”, atraves de uma ou mais reações de resistência,  uma alternativa poderia ser a transição para um freio-bridão de hastes mais longas. O importante é que todo cuidado ainda será pouco para fazer a ultima transição entre tipo de embocaduras, que é a transição para o freio, a embocadura 100% profissional, e a que oferece uma maior gama de recursos para refinar o adestramento, deixando os comandos de rédeas bem suaves. A

*Lúcio Sérgio de Andrade – Zootecnista, escritor, árbitro de equideos marchadores, Pedidos de livros impressos, livros digitais em CD, DVD’s, CURSOS ONLINE, equipamento para doma e treinamento de cavalos marchadores, através do site
www.equicenterpublicacoes.com.br ou email luciozootec@gmail.com

 

 

home |voltar

 

 




Itaporanga-SE
Francisco Garcez (Tito) -
(79) 9977 8000


Carvalhos-Sul de Minas
Prop. Fernando Pizza -
(35) 3345 1552

APRESENTAÇÃO      EDITORIAL      A RAÇA       ORIGEM      GENÉTICA      ANDAMENTO      CONFORMAÇÃO      REGISTRO      HINO
Copyright © 2008. RDA Tecnologia. Todos os Direitos Reservados.